22 setembro 2011

A raça mais perigosa do mundo

Laika é uma pit bull terrier que está nesse momento amarrada a uma casinha caindo aos pedaços. Sua corda machuca seu pescoço e tem apenas um metro. Não pode fazer suas necessidades longe e consequentemente vive suja e fedida, seus donos a chamam de porca e evitam contatos. Como falta de opção, resolveu comer suas próprias fezes e desenvolveu coprofagia, seus donos sentiram tanto nojo que fazem questão de fingir que ela não existe. Água é servida uma vez ao dia, quando alguém tem coragem de chegar perto da cadela porca. 
Tem feridas nas duas patas da frente devido a um comportamento compulsivo desenvolvido aos 3 meses de idade, quando ficava trancada em um quartinho sozinha, mas ainda dentro de casa. Dizem que ela cresceu demais, que se tornou feia e dá muito trabalho. 
Laika tem pulgas, carrapatos e tumores no aparelho reprodutor por não ter sido castrada ou tomado as devidas precauções. A cada cio ela uiva chamando um parceiro para completar sua função reprodutiva. Seus donos gritam e jogam garrafas de cerveja mandado-a parar. Confusa, Laika uiva e late ainda mais.
Mesmo abandonada pelos seus donos, cumpre bem a função de protetora do terreno. Não tem escolha, esta em desvantagem contra seus possíveis predadores presa nessa corda curta, por isso é agressiva com todos que se aproximam. É a raça, dizem, ingênuos os que passeiam por aquela rua. Deviam sacrificá-la, dizem outros. Ela se limita a fazer o que sem querer, seus donos lhe ensinaram. 
Um dia, seus donos decidem que é hora se soltá-la no pátio, parecia tão apática já que nunca foi livre. No momento que lhe tiram a corda do pescoço, Laika se vê livre e tem uma chance para fugir, precisa se alimentar já que não come a dois dias. Foge em disparada pelo portão aberto. Seu dono grita, mas já era tarde demais. Que seja, pensa ele, assim não terei mais compromissos com essa cadela desobediente. O problema é que nunca a ensinaram a obedecer.
Laika está livre, com medo e faminta. Seu corpo dói e tudo ao seu redor é uma novidade e um temor, nunca tinha visto muito além de sua pequena árvore e seu metro de grama que lhe tinham proporcionado. Torna-se agressiva. Para piorar, as pessoas jogam pedras quando ela se aproxima. Certo dia ela estava andando por uma rua deserta e avistou uma velhinha que vinha a passos vagarosos em dua direção, ela vai me atacar, pensou Laika, já que a velha senhora andava corcunda e vagarosamente, encarando tudo a sua frente, sua visão não era muito boa. Laika atacaria assim que fosse possível, simplesmente porque foi isso que a vida e seus antigos donos lhe ensinaram. Ela seria culpada e sacrificada, culpa da raça, diriam.
Mas Laika não teve esse dia. Na verdade ela nunca sequer fugiu. Morreu acorrentada no mesmo lugar que sempre esteve, esperando pelo dono que nunca mais voltou.

O ser humano é a raça mais perigosa que existe. O mundo nunca estará a salvo. 

Essa história não é verídica, mas poderia ser. Coisas piores acontecem ao seu redor e você ignora.












Nenhum comentário:

Postar um comentário